Reunião realizada na comunidade de Riacho, em Esmeraldas. Foto: Regina Oliveira/Nacab

Com o objetivo de criar espaços que garantam a participação das pessoas e comunidades atingidas no processo de reparação pelo rompimento da barragem da Vale no Córrego do Feijão, as Assessorias Técnicas Independentes (ATIs) estão promovendo encontros com os atingidos de todo o território da bacia do Rio Paraopeba. Nessas reuniões está sendo criado um manifesto que será apresentado aos autos do processo judicial, como uma síntese das reivindicações dos atingidos sobre o acordo que está sendo costurado entre Vale e Governo de Minas, sem a participação dos atingidos.

A próxima audiência judicial está marcada para o dia nove de dezembro e esse manifesto será entregue nesse dia. Para a construção do documento, o Nacab vem realizando, desde o dia 28 de novembro, encontros presenciais com as comissões de atingidos de toda a Região 3. Nesses encontros, que têm seguido as normas de prevenção à Covid 19, os técnicos da ATI têm discutido com as comunidades o acordo, explicando o que está sendo decidido ali e ouvindo os atingidos sobre suas reivindicações nesse processo. 

Pessoas atingidas de Bambus, Vinháticos e Padre João debatem o acordo, seguindo as medidas de segurança da Covid 19. Foto: Guilherme Romero/Nacab

Além desses encontros, dez representantes das comissões de atingidos da Região 3 foram escolhidos pelos próprios membros, em uma reunião ampliada, para compor cinco grupos de trabalho (GTs). Estes grupos, nos quais os escolhidos da Região 3 estão divididos, contam também com a participação de representantes de atingidos das demais regiões da calha do Paraopeba. 

“Por meio de metodologias participativas, a equipe estimulou as pessoas atingidas a refletir sobre as problemáticas do acordo. As discussões feitas nos GTs foram compartilhadas e, após a escuta das percepções, as comunidades apontaram sugestões para a construção do manifesto. Tem sido um momento rico de diálogo e escuta efetiva dos anseios, dos sonhos, dos valores, dos direitos a serem defendidos e os projetos específicos de cada localidade”, destacou a Gerente de Participação e Engajamento do Nacab, Ângela Oliveira. 

Os GTs estão organizados pelos temas: 1 – Jurídico; 2 – Governança; 3 – Renda e Emergencial; 4 – Fundo Paraopeba, Projetos, Valores Globais; e 5 – Água, Saúde e Meio Ambiente. Os grupos já se reuniram em dois momentos para entender os termos dessa negociação entre Vale e Estado, ainda obscura, e construir o manifesto .

Nacab participa de encontro com as comunidades de Muquem e Rosas, também de Esmeraldas. Foto: Brígida Alvim/Nacab

Segundo Ângela Maria de Lurdes dos Santos, membro da comissão de atingidos de Muquem, no município de Pará de Minas, “o encontro foi muito rico, pois tiramos dúvidas e ouvimos bastante informações trazidas pela equipe do Nacab. Não tenho dúvida que ninguém melhor que os próprios atingidos para expor as suas próprias necessidades e sentimentos frente a tragédia de Brumadinho. É imprescindível a participação de todos os atingidos. Esperamos que esse documento seja apreciado pela justiça”, ressaltou Ângela. 

Veja o calendário de atividades propostas para os próximos dias

5/12 (Sábado) às 9 horas: Reunião envolvendo toda atingidos de toda a Bacia do Paraopeba para aprovação do Manifesto;

07/12 (Segunda-feira) às 14 horas: Audiência Pública Comissão Externa Câmara dos Deputados Federais.

09/12 (Quarta-feira) às 14 horas: Audiência Judicial no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) que tratará do acordo entre Vale e Governo de Minas. Nesse mesmo horário acontecerá um ato dos atingidos na porta do Tribunal.