Primeiras coletas estão previstas para o início de novembro

A Assessoria Técnica Independente da Região 3 (ATIR3) está dando andamento a ações previstas no território. A Gerência Socioambiental é a responsável pela realização dos estudos que vão fornecer dados que ajudarão avaliar os danos socioambientais provocados pelo crime cometido pela Vale em janeiro de 2019. Durante o primeiro semestre de atuação da ATIR3, estão previstos para essa gerência estudos de contaminação do solo e dos peixes da região do Paraopeba.

As análises de estudo do solo têm previsão para começar em novembro. Uma empresa foi contratada para realizar a coleta, que será feita em 170 pontos distribuídos ao longo da calha do Paraopeba em toda a Região 3, e análise do material. A empresa contratada foi a Tommasi Analitica, vencedora do processo seletivo lançado pelo NACAB. Os técnicos dessa empresa, acompanhados de analistas do NACAB, irão visitar as propriedades onde estão mapeados os pontos de amostragens. Após a coleta, as amostras serão enviadas para um laboratório especializado e feitas as análises agronômicas e de teores de metais.

“Os locais onde serão coletadas as amostras foram escolhidos com base em dados oficiais de geologia, classes de solo, altitude ao longo da calha, número de edificações e número de demandas por comissão. Também foram priorizadas as áreas atingidas pelas enchentes após o período chuvoso de janeiro de 2020. O formato do estudo foi apresentado à Rede de Atingidos e aprovado em reunião coletiva no mês de julho deste ano”, destaca a Gerente Socioambiental do NACAB, Irla Paula Rodrigues.

Durante as visitas para coleta, os especialistas estarão devidamente identificados com crachás e seguirão todas as recomendações do protocolo de segurança da COVID-19.

Peixes

Outro importante estudo que envolve o retorno de uma das principais atividades da região do Paraopeba, a pesca, está em andamento. O edital de contratação da empresa que será responsável pelo estudo da contaminação dos peixes (ictiofauna) foi lançado no mesmo período do de análise de solos, porém nenhuma empresa conseguiu atender aos requisitos exigidos. Por esta razão, o processo foi reiniciado e o NACAB aguarda que empresas qualificadas se inscrevam para dar início ao processo de análise o quanto antes.

Leite Bovino

Inicialmente, estavam previstos também análises do leite bovino. Porém, o processo precisou ser suspenso, uma vez que o NACAB não recebeu os dados solicitados ao Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), necessários para mapear as propriedades produtoras de leite na região 3 e assim planejar as coletas. Logo, as atividades de análise do leite estão previstas para serem iniciadas no primeiro semestre de 2021.

“O NACAB entende a urgência e o desejo dos atingidos e atingidas em obter informações o quanto antes e, por isso, informamos que o atraso do início dessas análises se deu tanto pelos trâmites jurídicos e administrativos necessários, mas também pelo bloqueio efetuado na conta da instituição, que já foi regularizado. Nos comprometemos em realizar um trabalho qualificado e com o máximo de rigor científico para trazer informações isentas de intervenção da Vale e que tragam segurança às tantas dúvidas sobre a contaminação no território”, ressalta Irla.

Texto: Márcio Martins / Assessoria de Comunicação ATI R3 – NACAB.

Fotos: Irla Paula Rodrigues.