Encontro ocorreu a pedido da comunidade, para tirar dúvidas sobre o PTR 

Na última sexta-feira, 10 de setembro, a equipe da ATI Paraopeba Nacab foi à comunidade de Beira Córrego, em Fortuna de Minas, participar de uma conversa organizada pelas pessoas da região. Na ocasião, a comunidade queria entender mais sobre o fim do auxílio emergencial da Vale e o início do Programa de Transferência de Renda (PTR), previsto para ser iniciado no próximo mês, como parte do acordo judicial de reparação pelos danos do rompimento da barragem da Vale. 

Para ajudar a esclarecer as dúvidas, o Nacab contou com a especialista de Participação e Engajamento, Maria Cecília Alves, que atua diretamente com o tema na ATI Paraopeba. Dentre os principais pontos debatidos na reunião, ela informou sobre a contratação da Fundação Getúlio Vargas (FGV), que é a responsável pela gestão do novo programa e destacou algumas conquistas importantes, como o fim do critério de 1 quilômetro para recebimento do auxílio, o que possibilita a inclusão de pessoas atingidas ao benefício. É importante lembrar que a maioria das pessoas em Beira Córrego e Retiro dos Moreiras não foram contempladas no pagamento emergencial, gerido pela Vale. 

No programa atual, o critério que restringe o acesso das pessoas atingidas é o teto de 10 salários mínimos por núcleo familiar para a inscrição no programa, o que gerou algumas discordâncias durante a reunião. E teve também muitas dúvidas sobre cadastramento e formas de comprovar atingimento. Maria Cecília explicou que os cadastros e a avaliação das documentações serão realizados pela Fundação Getúlio Vargas e que o Nacab vai informar sobre o início do cadastramento.  

Ampliação de dados e contatos 

Em um segundo momento, a ATI fez um mutirão para qualificar os dados e contatos dos moradores e moradoras de Beira Córrego e Retiro dos Moreiras, que estavam presentes na reunião. O objetivo deste trabalho é ampliar os contatos para ajudar nas mobilizações, na disseminação de informações e, principalmente, na garantia da participação das pessoas atingidas em todos os processos da busca por uma reparação justa e integral. 

Uma das coordenadoras de campo do escritório de Pará de Minas, Lídia Vieira, destaca a importância do diálogo e da aproximação da ATI com as comunidades atingidas:  “Foi uma noite importante para que as pessoas pudessem tirar suas dúvidas e reivindicar seus direitos sobre o Programa de Transferência de Renda. Foi muito importante também coletar mais informações com as pessoas atingidas. No segundo momento da reunião, organizamos o espaço para que elas pudessem nos passar seus dados, conversar um pouco sobre auxílio emergencial, exporem as demandas e os danos sofridos pelo rompimento da barragem”, conta Lídia.  

A ação envolveu uma grande parte da equipe do escritório de Pará de Minas para acolher as pessoas e fazer a coleta de informações e contatos, para que todos os presentes fossem atendidos de forma rápida. E contou também com os especialistas da área de Participação e Engajamento da ATI, Maria Cecília e Márcio Alves de Oliveira.

Atenção: 

A coleta de dados das pessoas atingidas, quando feita por profissionais da ATI Nacab, é para que a equipe possa conhecer melhor as pessoas e as realidades do território, convidar para as atividades e encaminhar demandas emergenciais às instituições de justiça.  Esses dados não servirão como cadastro para o Programa de Transferência de Renda, porque essa etapa será realizada pela empresa gestora do programa, que é a Fundação Getúlio Vargas, mas são importantes para melhorar a relação entre ATI e pessoas atingidas.  

Veja as fotos da reunião:

Reportagem e fotos: Bárbara Ferreira
Assessoria de Comunicação ATI Paraopeba Nacab