Entre os dias 30 de agosto e 03 de setembro, a ATI 39/ Nacab passou por uma intensa semana de capacitação para iniciar as ações da segunda etapa de atuação junto às 11 comunidades assessoradas. A maior parte das atividades aconteceu de forma digital. Os momentos presenciais aconteceram com todo o respeito e cuidado aos protocolos recomendados com relação à pandemia da Covid-19.  

As atividades foram iniciadas na manhã de segunda-feira, 30/08, quando algumas coordenações trocaram informações técnica sobre suas funções. Na parte da tarde, a capacitação teve como temática a atuação das Instituições no processo de assessoria às comunidades com os convidados Péricles Mattar, representante da Gerenciadora Fundação Israel Pinheiro (FIP); a professora Irene Cardoso, uma das fundadoras do Nacab (como projeto) dentro da Universidade Federal de Viçosa (UFV) e a coordenação da ATI 39 Cáritas.   

Péricles Mattar (FIP) ressaltou a importância do plano de trabalho para os integrantes, afirmou que a condicionante 39 é “um marco para as assessorias técnicas” que surge de uma etapa necessária a uma licença ambiental para a mineração. A professora Irene ressaltou o histórico do Nacab, desde seu começo como projeto de extensão da UFV, sua atuação com comunidades atingidas por barragens hidrelétricas e outras ações, buscando dar voz aos atingidos nos processos que os envolvia. A coordenação da ATI39/Cáritas – representada por Anna Crystina Alvarenga, Luanna Gerusa do Carmo Ferreira e Lilian Maria Santos – destacou principalmente a experiência na cidade de Mariana, devido ao crime socioambiental da barragem de Fundão, em 2015.   

No dia 31/08, cada coordenação que compõe a ATI39 explicou suas funções e apresentou propostas para ações futuras e diárias, ligadas ao trabalho de toda a equipe, como o uso de sistema de gestão de demandas dos atingidos; papeis dos stakeholders envolvidos no processo; a importância do desenvolvimento de uma comunicação popular e inclusiva; a criação e gestão de documentos, entre outros temas de importância.   

Treinamento Presencial

Na quarta-feira, 01/09, o treinamento foi de forma presencial com visita de toda a equipe da ATI 39/ Nacab ao território. Devido ao seu posicionamento geográfico foram definidas para a visita as comunidades de São José da Ilha, São Sebastião do Bom Sucesso (Sapo), São José do Jassém e Itapanhoacanga. No decorrer do dia, aconteceram apresentações, conduzidas pelo professor Luiz Fontes, pela Coordenadora Maria José e pelo colaborador Higor Lacerda, apresentando o histórico e contexto das comunidades e ações da ATI. Também, aconteceu uma dinâmica de grupo visando a integração da equipe.   

 Em continuidade à capacitação, entre os dias 02 e 03 de setembro, cada equipe teve um treinamento específico com sua coordenação. A ATI 39/Nacab é composta por 7 coordenações de áreas distintas que, juntas, atuam com o objetivo maior de levar informação técnica e promover a capacitação dos atingidos. 

A percepção da equipe

Camilla Almeida, assessora jurídica, comentou que essa oportunidade de visitar as comunidades foi essencial para entender um pouco os efeitos da mineração que incidem sobre os moradores, como “a questão do barulho, do cheiro, da poeira, da falta de água” e, principalmente, a ida a Jassém, em que a equipe seguiu a rota de fuga sinalizada na comunidade. Além disso, “ver aquela sirene lá no alto, que pode tocar de forma devida ou indevida, é muito impactante”, reforçou Camilla.   

Para Wander Torres, membro do comitê executivo, “representou para mim um primeiro momento de encontro das colaboradoras e colaboradores da Assessoria Técnica das equipes envolvidas neste desafiante trabalho. Permitiu uma maior clareza sobre o processo, sobretudo a responsabilidade em prestar um serviço de qualidade técnica às comunidades atingidas e que leve ao cumprimento do objetivo principal da ATI. Saí esperançoso e confiante do treinamento pois a equipe tem tudo para realizar um ótimo trabalho!”  

Matheus Moreira, da equipe COMEP, destacou a relevância: “Foi um momento muito importante para a gente conseguir perceber a conexão entre as equipes, o alinhamento entre elas. E ver a vontade de cada um em fazer um bom trabalho e construir uma solução justa para os atingidos. Uma experiência fundamental para estreitarmos os laços que culminou na nossa visita às comunidades.” De acordo com ele, será “uma experiência que lembraremos sempre”. 

O professor Luiz Fontes, do Comitê Gestor da ATI 39, concluiu que a semana de treinamento “significou um avanço na qualidade das respostas que a equipe dará aos atingidos. Houve o conhecimento de detalhes do processo de licenciamento, detalhes do plano de trabalho e dos territórios graças as visitas que fizemos. Consideramos uma etapa cumprida com êxito” e enquanto colaborador da ATI 39/Nacab completa: “Saí melhor como pessoa e profissional depois dessa semana intensa com troca de experiências e conhecimentos. O treinamento foi intenso, assim como os resultados que buscamos serão”.